legalidade_e_revolução.jpg

Obra detalhada acerca da esquecida e pouco analisada  Campanha de Rondon contra tenentistas no interior do Paraná, nos anos de 1924/25.  

Acesse algumas páginas (pdf): click

Quero adquirir: click

Sou estudante  ou não tenho recursos financeiros. Solicite versão gratuita em pdf:   click

                                                                                                     Sinopse

            Em agosto de 1924, no contexto das revoltas tenentistas, tropas autodenominadas “revolucionárias” adentraram em solo paranaense. Comandadas pelo general Isidoro Dias Lopes, retiravam-se de São Paulo, após fracassarem em um levante contra o governo federal.

           O plano, agora, seria unir-se a forças oposicionistas gaúchas que estavam em via de levante, e dar continuidade ao movimento contestatório. Tendo em vista efetivá-lo, os “revolucionários” avançaram para as regiões oeste e centro-sul do Paraná, então percebidas como “sertões”, e estabeleceram-se em localidades como Guaíra, Foz do Iguaçu e Catanduvas. Entretanto, a reação governamental não tardou e, em outubro de 1924, eles passaram a ser combatidos por tropas lideradas pelo general Cândido Mariano da Silva Rondon. As lutas prolongaram-se até abril de 1925.

         Ao se observar a historiografia relativa a tal evento, percebeu-se a necessidade de estudos mais profundos, com novas abordagens. Assim, a presente obra teve como escopo analisar os episódios e as operações militares que marcaram o embate entre tenentistas e legalistas no Paraná, nos anos de 1924 e 1925; examinar as instituições que dele tomaram parte; bem como delinear os seus atores, sejam de renome ou não, e o impacto do conflito em suas vidas.

       

         Em razão disso, foram examinadas, de forma inédita, questões relacionadas às peculiaridades das tropas que se digladiaram (organização, recrutamento, instrução, aparato bélico, motivações para lutar e modos de combate); às variadas adversidades enfrentadas pelos combatentes e moradores locais (ações em áreas inóspitas, alimentação inadequada, doenças e ferimentos, exaustão física e emocional, conflitos interpessoais, entre outras); e às diversas operações militares desencadeadas (manobras, combates, táticas e estratégias).

        O livro foi dividido em duas partes principais, denominadas “O Brasil na primeira metade da década de 1920” e “A Campanha do Paraná”. A primeira contextualiza o conturbado cenário que originou e influiu no conflito, versa sobre a conformação e o modo de operar das forças que se enfrentaram, e examina as rebeliões que antecederam as operações no Paraná. A segunda trata detalhadamente sobre questões atinentes ao desenrolar das ações em solo paranaense.

 

        O estudo foi elaborado de acordo com os preceitos da “Nova História Militar”. Nele se encontram diversos mapas e esboços que facilitam o entendimento dos planos e ações de tenentistas e legalistas.