nova capa livro cav 22 mai 2021.jpg

A obra analisa  o processo de mecanização da Arma de Cavalaria do Exército Brasileiro e as resistências de cunho cultural a tal providência.   

Acesse algumas páginas (pdf): click

Sou estudante  ou não tenho recursos financeiros. Solicite versão gratuita em pdf:   click

                                                                                         SINOPSE

              A substituição dos meios hipomóveis pelos mecanizados na Arma de Cavalaria do Exército Brasileiro ocorreu de forma gradativa, predominantemente no período de 1937 a 1973. Essa providência deu-se de forma defasada em relação a outros exércitos, como o dos Estados Unidos, que efetivaram tal medida no segundo quartel do século XX.

            No Brasil, a partir da II Guerra Mundial, intensificaram-se discussões sobre se era necessário ou não mecanizar a Cavalaria, até então uma Arma quase toda hipomóvel. Percebia-se haver entre os militares do período em pauta duas tendências: a dos defensores da tradição, que desejavam a permanência do cavalo como instrumento de combate, e a dos adeptos da modernização, que pleiteavam a substituição dos meios hipomóveis pelos mecanizados.

        A tendência ligada à modernização saiu-se vencedora, pois a maioria das unidades de Cavalaria do Exército Brasileiro encontrava-se mecanizada na primeira metade da década de 1970.

              

          O presente trabalho teve em vista analisar o processo de transição em questão, e, assim, verificar como se de e como foi superado o embate entre a tradição e a modernização.